Os cupins são insetos que aparecem mais em ambientes tropicais, embora possam viver quase em qualquer lugar desde que o solo não congele no inverno. Embora várias pessoas achem os cupins parecidos com formigas, eles estão mais próximos das baratas.

Cupins

Todas as espécies de cupins vivem em sociedade, e as colônias se dividem em grupos ou castas. Os membros de cada casta têm funções e características físicas diferentes:

  • Os reprodutores põem ovos. A maioria das colônias tem um par de reprodutores principais: o rei e a rainha. Em algumas espécies, há reprodutores secundários e terciários que ajudam nessa função. O rei e a rainha são os únicos que têm olhos. Os outros cupins são cegos e se orientam pelo olfato e pelas trilhas úmidas. Os reis e rainhas costumam ser mais escuros do que o resto dos cupins na colônia;
  • Já os soldados defendem o ninho dos invasores, normalmente formigas e cupins de outras colônias. Na maioria das espécies, os soldados possuem cabeças grandes e mandíbulas fortes, parecidas com pinças. As cabeças dos soldados costumam ser mais escuras do que seus corpos. Algumas espécies são capazes de criar uma substância tóxica ou grudenta em suas cabeças, e a utilizam para matar ou subjugar os invasores;
  • Os operários têm uma cor de leite ou creme. Suas mandíbulas são menores e com dentes serrilhados, que permitem que eles mordam pequenos pedaços de madeira e carreguem materiais de construção. Como o nome sugere, são eles que fazem a maior parte do trabalho na colônia, sendo responsáveis por cavar túneis, coletar alimentos e cuidar dos mais jovens. Além disso, eles também alimentam o rei, a rainha e os soldados, que não conseguem se alimentar sozinhos. Tanto os operários quanto os soldados são estéreis.

O alimento dos cupins vem da celulose. A celulose é um polímero, um composto formado por várias moléculas idênticas. A celulose é um composto duro e resistente encontrado nas plantas, sendo ela que dá às árvores e arbustos sua estrutura. As moléculas que compõem a celulose são de glicose, chegando a até 3 mil delas. Ou seja, a celulose é feita de açúcar. Diferentemente dos açúcares glicose, sucrose e lactose, contudo, as pessoas não são capazes de digerir a celulose. O sistema digestivo humano utiliza proteínas especiais chamadas de enzimas para quebrar os polímeros de açúcar em glicose, utilizando-a como fonte de energia. Por exemplo, a enzima sucrase decompõe a sucrose, e a lactase quebra a lactose. Nossos corpos, porém, não produzem celulase, a enzima que decompõe a celulose.

Os cupins, no entanto, também não produzem a celulase. Em vez disso, dependem de microorganismos que vivem em uma parte de seu sistema digestivo chamada de intestino posterior. Esses organismos incluem as bactérias e os protozoários. Eles mantêm uma relação simbiótica com os cupins, já que nem os cupins nem os microorganismos conseguiriam viver um sem o outro. Os tipos de organismos encontrados no intestino posterior ajudam a dividir os cupins em duas categorias. Os cupins superiores possuem somente bactérias, sem a presença de protozoários, ao passo que os cupins inferiores possuem tanto bactérias quanto protozoários. Também é possível classificar os cupins usando suas habitações. Os subterrâneos constroem grandes ninhos no subsolo, ao passo que vários cupins primitivos formam colônias na própria madeira que consomem. Uma colônia de cupins basicamente é uma família com inúmeras gerações.

CupinsJohn Breznak/Michigan State University/NSF

Um cupim (acima) próximo do intestino de outro cupim (centro). Conteúdo (abaixo) inclui espiroquetas (setas) e protozoários (P).

Sexo e gênero dos cupins. Na maioria das espécies, o rei e a rainha são monógamos. Embora a rainha possa armazenar esperma em seu corpo, ela continua a copular com o rei periodicamente. Diferentemente do que acontece com as espécies sociais de abelhas, soldados e operários podem ser machos ou fêmeas.

Fonte: Tracy Wilson – HowStuffWorks – Como funcionam os cupins – Publicado em 11 de setembro de 2007 (atualizado em 17 de julho de 2008)
http://ciencia.hsw.uol.com.br/cupim6.htm (16 de outubro de 2009)