Caso já tenha visto os operários cupins vivos ou olhado fotos deles no ninho, você deve ter ficado com a impressão de que são quase larvas.

Eles não têm exoesqueletos rígidos como vários outros insetos. Em vez disso, parecem macios e leitosos. Parecem com larvas porque, sob vários aspectos, eles são larvas. Os únicos cupins totalmente maduros na colônia inteira são o rei e a rainha. Mesmo os outros reprodutores são neotônicos, sendo sexualmente maduros mas com características de larva.

Esse estado perpétuo de larva dá muita flexibilidade aos cupins. Basicamente, todos começam como ovos, e todos os ovos são capazes de se desenvolver em membros de qualquer casta. Os ovos dão origem a larvas e, por meio de uma série de mudas, as larvas se transformam em operários. Os operários podem passar por uma muda de dois estágios e se tornar soldados. Os cupins mais velhos podem até passar por mudas regressivas e voltar a um estágio anterior. Quando chega a hora de uma colônia formar enxames, alguns operários se transformam em adultos com asas chamados de alados. Os alados se reúnem na entrada da colônia e se preparam para fazer seu único vôo, conhecido como vôo nupcial. Seus corpos endurecem e ficam negros com a exposição ao ar, fazendo que comecem a lembrar formigas voadoras.

Os cupins costumam formar enxames na primavera, quando o ar está mais úmido e calmo, geralmente após uma chuva. Várias espécies fazem isso simultaneamente, mesmo se suas colônias são muito distantes. Os cientistas não têm certeza sobre como isso acontece, mas suspeitam que ajuda a melhorar a diversidade genética ao permitir que cupins de diferentes colônias acasalem. E isso é muito importante porque a maioria dos alados não vive o bastante para ter filhos. Em vez disso, tornam-se comida de pássaros, sapos e outros animais. Após um alado macho e uma fêmea formarem um casal, pousam e quebram suas asas. Agora, são chamados de dealados. Então, eles procuram abrigo, normalmente um pequeno buraco ou depressão próximo do solo e de madeira, e selam o ninho com saliva, solo e seus próprios dejetos. Então ocorre a cópula, e a nova rainha põe os ovos. O rei e a rainha cuidam da primeira geração da nova colônia sozinhos até que tenham criado operários o bastante para assumir essa tarefa. Os operários expandem o ninho, e o abdôme da rainha aumenta para que ela possa pôr mais ovos. Leva de dois a quatro anos para que a colônia fique pronta, e então o ciclo começa novamente com um novo grupo de alados indo embora para formar novas colônias.

Além de colocar ovos, o rei e a rainha produzem feromônios que ajudam a regular a vida na colônia. Esses feromônios determinam quantas lavas se tornarão operários, soldados e alados. Caso o rei ou a rainha morra, esses feromônios desaparecem, fazendo que um dos reprodutores secundários ou terciários se torne o novo reprodutor primário, algumas vezes após matar a concorrência. As rainhas podem viver até 25 anos, ao passo que a maioria dos operários vive entre dois e cinco anos. As colônias de cupins podem sobreviver por muito tempo, e em algumas espécies as rainhas põem milhares de ovos por dia. Essas são as razões pelas quais os ninhos de cupins podem ser enormes.

Cupins e folhas

Como os cupins perdem suas asas após o vôo nupcial, podemos chamá-los de decíduos, assim como as folhas que caem.

Fonte: Tracy Wilson – HowStuffWorks – Como funcionam os cupins – Publicado em 11 de setembro de 2007 (atualizado em 17 de julho de 2008) – http://ciencia.hsw.uol.com.br/cupim6.htm (16 de outubro de 2009)